Blog

jul26

Emoções caducam, e o romantismo leva à frustração. Quais qualidades deve ter a companhia sentimental para que a relação seja longa?

“O que você está dizendo? Não posso acreditar, vocês eram o casal perfeito!”. María não deixou de escutar essa frase desde que terminou com Eduardo, seu namorado de toda uma vida. Eles se conheceram no colégio e, após 15 anos de namoro, se casaram. Em seu entorno foi o casamento do ano. Após uma festa inesquecível e uma lua de mel que durou um mês, decidiram dividir a hipoteca de uma casa geminada no subúrbio de Madri, os gastos de um 4×4 e a criação de um bebê. Os dois eram profissionais de sucesso, bonitos, esportistas, seres modelares que nunca foram motivo de fofoca. Fiéis e perfeitos, pareciam feitos um para o outro. Mas, um belo dia, a relação acabou. Foi uma bomba que desconcertou amigos e familiares, cegos pelo brilho de um casal ideal que não o era tanto assim.

A fachada era perfeita, mas, na realidade, María e Eduardo não eram compatíveis. Não funcionavam juntos a tal ponto que nunca foram capazes de resolver nenhum dos problemas que apareciam. Eles se limitavam a deixá-los de lado para retomá-los em outro momento, que nunca chegava (o que acontece quando não se segue os conselhos adequados no caminho à felicidade). O que realmente chegou foi o dia em que aquela bola imensa de conflitos sem resolução se tornou grande demais, excessivamente pesada, e caiu em cima dos dois, esmagando-os. O casal perfeito perdeu o rumo e desmoronou.

A metade da laranja é uma invenção de ‘marketing’

Pode ser que o entorno do casamento não possa explicar o que aconteceu, mas María sabe muito bem o que houve. A união se quebrou quando acabou a época de eterna lua de mel, justamente quando os dois começaram a sentir os sintomas do estresse pós-romântico, um termo criado pelo psicólogo John Bradshaw para definir o final de uma fase em que tudo é perfeito, a atividade sexual não decai e as imperfeições felizmente passam inadvertidas. Provavelmente, María julgou seu casamento somente pelos cafés da manhã na cama, as rosas vermelhas e os jantares surpresa, se enganou ao pensar que tinha um par perfeito. Agora sabe que isso teria sido impossível.

E perguntar a um psicólogo e a um sexólogo se o casal perfeito existe é como mencionar o diabo. “Essa metade da laranja é uma ideia de marketing, somos seres imperfeitos em contínuo desenvolvimento e crescimento, e ninguém pode te satisfazer 100% em todas as tuas fontes de satisfação. Uma relação vai crescendo, evoluindo e se modificando ao longo da vida”, afirma taxativamente Miren Larrazabal, psicóloga especialista em psicologia clínica, sexóloga e presidenta da Sociedade Internacional de Especialistas em Sexologia. Basta fazer um exercício de memória (se você está muito estressado, talvez seja mais difícil), repassar os amores de uma vida, incluindo os platônicos, e se fazer algumas perguntas para ver que é assim. Qual deles se aproximou mais do que você considera perfeição? Alguma dessas relações não viveu altos e baixos, desafios, decepções e sofrimentos? Se a resposta é afirmativa, por que não continuou com essa pessoa? Certamente não deu tempo de conhecê-la muito, e ocasião de enfrentar problemas verdadeiramente sérios.

E depois existem pessoas incapazes de ver a realidade, que ficam obcecadas em um ideal do amor que não existe. É a opinião de Soraya Calvo, sexóloga e professora da Universidade de Oviedo, que fala sobre o dano provocado pela propagação da ideia de casal ideal e perfeito. “Desvirtua a vida em casal porque as metas geradas por essa ideia romântica do amor são inalcançáveis e geram muita frustração quando não são atingidas. Além disso, o ideal é algo diferente para cada pessoa e sociedade, de modo que sequer podemos definir o conceito”, diz. O perfeito, se a pretensão é que a relação dure, é prestar atenção em qualidades mais mundanas.

Mudança do casal: do perfeito ao consciente

“A maioria das pessoas pensa que o amor é suficiente, mas não é verdade, o amor não é suficiente para a convivência. São necessárias habilidades de convivência, que estão relacionadas à comunicação, à capacidade de resolução de problemas e às habilidades de negociação. É isso que irá gerar a satisfação e o bem-estar do casal, algo que tem pouco a ver com o que as pessoas entendem como casal ideal, esse que não tem problemas. A diferença entre uma pessoa que se diz satisfeita com sua vida em casal e uma infeliz não são os problemas, e sim a maneira de enfrentá-los”, diz Larrazabal.

É justamente isso o que aborda o livro The Secrets of Enduring Love: how to make relationships last, que reúne os resultados de um estudo para o qual os cientistas entrevistaram mais de 4.000 casais do Reino Unido, e que acompanhou detalhadamente o comportamento de outros 50 para determinar o que fazia sua relação funcionar. De acordo com os autores, o sucesso da longa convivência se deve à capacidade de comunicação e de resolução de conflitos.

“O casal perfeito deve mudar o nome para casal consciente e compatível. Existem pessoas que são mais ou menos compatíveis, mas o que é preciso ver é se temos metas parecidas, se temos maneiras de viver parecidas, se queremos ou não ter filhos e se temos momentos de lazer parecidos. Esses momentos de lazer podem ser diferentes, mas temos que ser capazes de lidar com essa diferença sem que se transforme em algo incompatível para nossa vida em casal”, de acordo com Soraya Calvo. Não se trata de fazer as mesmas coisas o tempo todo e estar sempre juntos, mas sim de encontrar um ponto em comum, porque um casal deve ter, além dos espaços pessoais, um nutrido espaço em comum. “Se não existe, a relação acaba”, afirma a sexóloga.

Quando o amor romântico impede a progressão

Também há outra realidade que não podemos deixar passar batido, que cada pessoa, em cada momento de sua vida, procura coisas diferentes. Existem casais que são muito compatíveis, mas que passam por momentos vitais diferentes que acabam modificando sua compatibilidade inicial. Como essas mudanças influenciam em uma relação consolidada? Até a mudança de horário de trabalho pode gerar distanciamento em um casal. Se as duas pessoas estão há anos sincronizadas e, de repente, suas rotinas mudam drasticamente, não ter tempo em comum pode causar um problema que é preciso saber lidar. “E é mais difícil solucioná-lo se a relação se basear no amor romântico e ideal, em que é mais importante o tempo em comum perdido”.

Essa atitude pode parecer imaturidade, mas Miren Larrazabal frisa que não são somente os jovens que acreditam no par ideal. É um modelo que influencia os jovens e os mais velhos, “mesmo sendo verdade que, quando você é muito jovem, vive em um contexto que te torna mais apto a sofrer esse estado um pouco alterado de consciência, em que o amor é vivido com mais paixão, mas também existem pessoas de 50 anos cheias de mitos e ideias distorcidas sobre o que é o amor”, diz a especialista.

A conclusão é que ter expectativas irreais no amor gera incompreensão e frustração, porque o amor todo-poderoso e absoluto não existe. “É verdade que todos nós podemos ter certas expectativas (o ideal de homem e mulher), mas é preciso pensar e não se deixar levar pelo que se sente, porque as emoções caducam, ou pelo menos caducam tal como as entendíamos no começo da relação. Ao longo da vida em casal, o amor sentido precisa dar lugar ao amor pensado, esse é o ponto”, diz a sexóloga Soraya Calvo. A relação que a longo prazo pode ser mais frutífera (ainda que isso nunca possa ser assegurado), afinal, é a consciente e compatível. Se tudo se basear em mitos e ideais, é muito maior a probabilidade de que não se resolvam os conflitos que surgirem em sua vida e que a relação termine em ruptura.

Foto: BUENAVIDA / Fonte: El País

maio27

Por Geiza Martins / Colaboração para Universa

Quando um relacionamento vai mal, às vezes somos incapazes de enxergar que um possível fim está próximo. As dúvidas até pintam, mas geralmente nos enroscamos e o medo de mudanças e da solidão nos paralisam. Para não prolongar uma fase ruim, detectamos 10 sinais que servem como um alerta para medir a qualidade da relação.

Segundo o psicólogo Vitor Paese, a presença desses tópicos no romance demonstra a infelicidade na relação. “Se esses itens fizerem parte de seu relacionamento, significa que ele precisa ser revisto, seja por uma psicoterapia de casal ou de uma boa conversa. Algo precisa mudar“. 

1. Não sinto atração sexual por meu parceiro

“Numa relação, o sexo é um pilar muito forte, que deve ser considerado”, avisa Vitor. E quando não há sexo, é um indicativo de que alguma coisa não está boa. “Às vezes, pode ser alguma fase de dificuldade, falta de interesse ou uma alteração emocional. É preciso avaliar se a sensação é sentida por ambos ou um só”, comenta ele. 
Todavia, vale ressaltar que a escritora Iris Krasnow, autora do livro “Sex After… Women Share How Intimacy Changes as Life Changes” (O sexo depois – mulheres revelam como a intimidade muda à medida que a vida muda), aponta uma tendência na vida sexual dos casais de longa data: “Ouvi dezenas de histórias sobre amor duradouro que não inclui sexo. As entrevistadas contaram que o que as une aos seus parceiros é o coração e a história, não o sexo“. 

2. Outras pessoas me atraem mais do que meu par

Eis algo que você deve levar em consideração. Se você está com seu parceiro e o tempo inteiro e sente mais atração por outros, é preciso se perguntar o que está acontecendo. “Com certeza, isso significa que você não tem satisfação em estar ao lado do seu parceiro. Isso é a pontinha do iceberg de outras coisas que estão rolando, é só um sintoma”, avisa o psicólogo. O mais aconselhado nesses casos é entender (e até investigar) o que motiva essa atração.

3. Já não tenho mais aquele brilho no olhar

Essa situação geralmente ocorre quando não temos mais admiração pela personalidade da pessoa amada. Ou seja, já não há mais prazer em estar com ela. “Pode estar relacionado com o item 2. Às vezes, a falta de prazer em estar ao lado e em conviver socialmente faz com que o par se desinteresse dele e se interesse por outras pessoas. Isso é bastante comum, inclusive”.

4. Brigamos o tempo todo

 Nas fases em que falta tolerância com as ideias e com o comportamento do parceiro, as discordâncias levam a debates acalorados, discussões e até mesmo grandes brigas. O fator irritação conta e muito nessas horas: só de escutar a voz do outro, você já revira os olhos? “Isso é um indicativo de que as coisas não vão bem”, diz Vitor. 

5. Ele/ela não faz nada sem mim

Em uma relação saudável, existem dois indivíduos, com vidas separadas, pensamentos próprios, amigos etc. “Se o parceiro está completamente dependente de você, há uma falta de individualidade na relação”, explica o psicólogo. E isso não é nada bom, pois a dependência gera frustração naquele que não tem vida própria, e geralmente faz com que o outro se sinta sufocado, com vontade de fazer seus programas sozinho.

6. Ele/ela não respeita meus gostos

Diferenças existem e não é fácil de conviver com elas, mas é necessário. Analise se o seu par recrimina seus gostos e o seu jeito de ser. Claro, não é porque ele pega no seu pé por algum hábito seu, que seu relacionamento não está bacana. Uma boa conversa para que ambos cedam um pouco pode colocar um ponto final em qualquer problema. Agora, se conversa alguma faz com que seu amor considere seus interesses, está na hora de rever. “Numa relação saudável, um tem de respeitar a individualidade do outro”, comenta.

7. Fico sempre em segundo plano 

Nenhum relacionamento resiste por muito tempo se um dos parceiros não prioriza o outro em sua vida. “Quando você se coloca disponível para desenvolver uma relação e a pessoa não valoriza isso, ficará sempre com a sobra do afeto, da atenção, do tempo”. De acordo com o psicólogo, quem passa por isso deve se questionar: por que aceita esse tratamento e, principalmente, como anda a sua autoestima e o amor-próprio? “Além da relação, também está em jogo o quanto eu me valorizo. Nós devemos sempre ser prioridade nas coisas que giram ao nosso redor”. 

8. Não há mais sintonia entre nós 

Aqui complica bastante…A falta de interesses, afinidades e gostos em comum pode tornar a relação insonsa, pouco produtiva e “sem assunto”. As afinidades são extremamente necessárias. Quando elas estão muito limitadas e até mesmo inexistentes, a relação fica muito insustentável.

9. Os planos dele/dela não me incluem 

Seu par não tem um projeto em comum com você para o futuro? Não há nenhuma viagem planejada? Abra os olhos! Viver o momento é sempre o ideal, mas a ausência de planos pode colocar o futuro de vocês em jogo. “Ter um projeto comum é extremamente saudável. É o que faz aquelas afinidades se tornarem mais direcionadas”, explica.  

10. Ele/ela não é carinhoso

Se não há carinho ou atenção, vale se perguntar por que você está nessa relação. Afinal, esses são gestos básicos em uma relação em que a ligação principal é o amor e o afeto. “Algumas pessoas têm dificuldade de perceber a importância desse item”, comenta. 

Foto: Getty Images/iStockphoto

maio06

“A vida é muito curta para mantermos uma relação tóxica. Decida por sair desta situação o mais rápido possível”, orienta o especialista em tomada de decisões.

O Brasil é o país que o ocupa o quinto lugar no ranking de feminicídio, de acordo com a Organização das Nações Unidas-Mulheres. No País, cerca de 41% dos casos de violência acontecem dentro de casa. Além disso, segundo a mesma organização, três em cada cinco mulheres sofreram ou sofrem violência física ou moral em um relacionamento afetivo.

Apesar dos dados alarmantes refletirem a realidade das mulheres brasileiras, é importante ressaltar que homens também podem ser vítimas dessa situação.  Algumas questões podem ajudar a enxergar melhor, quem acaso esteja vivendo esse tipo de inconveniência dentro da sua relação.

O especialista em tomada de decisão, Uranio Bonold, sugere a seguinte reflexão:

Responda rapidamente: esse relacionamento tem mais momentos felizes ou tristes? Você sente que se doa muito mais do que recebe? É comum o sentimento de culpa e de preocupação com a relação? “Caso as respostas sejam sim, ou você teve alguma dúvida para respondê-las, chegou a hora de refletir melhor sobre sua relação”, afirmou o especialista.

Segundo a psicóloga e psicanalista, Cássia Rodrigues, os divórcios aumentaram principalmente entre a população com mais de 50 anos, e um dos principais motivos é a falta de sentido em manter a relação, assim como a falta de respeito pelo outro. A psicóloga ainda afirma que, ao romper um relacionamento, é necessário passar por cinco fases: negação, raiva, tristeza, barganha e aceitação. Sendo a última, a mais importante e responsável pelo bem da saúde mental.

Uranio Bonold compartilha cinco sintomas que podem ajudar a identificar se a pessoa vive um relacionamento abusivo ou não:

#1 – Oscilação de humores

Seu companheiro(a) ora é muito gentil e delicado(a), ora muda de humor repentinamente. Fica rude e rancoroso(a), criando sempre um ciclo-vicioso de expectativas, insegurança e aquela dúvida na parceira/parceiro: como será que ele(a) vai estar hoje? Será que vai acordar bem? Vai estar bem à noite? E a sensação que fica é que você sempre tem que fazer alguma coisa para melhorar a situação, e não o seu companheiro(a).

#2 – Humilhação em público

Te constrange e humilha na frente dos amigos e da família. Evita que você fique perto dos amigos e de parentes, enfim, te força a se distanciar de qualquer pessoa que possa te dar apoio. Diz que você não é nada e nem ninguém sem ele/ela.

#3 – Controle de roupas e finanças

Faz com que você se sinta incapaz de tomar decisões. Passa a interferir no seu estilo de vida, de roupas que usa, penteado, comportamento etc. Tira os seus próprios objetos de você e controla as suas finanças. Não estimula os seus sonhos e diz que nada do que você fizer pode dar certo. Te desautoriza em quase tudo.

#4 – Você precisa implorar para ter o que quer

Seu parceiro/parceira não faz uma coisa que sabe que você gosta para que você precise ‘implorar pelo o que quer. É manipulador. Quer mostrar quem manda, te colocando em situações extremamente desconfortáveis.

#5 – Transferência de culpa

Passa horas te ignorando com caráter punitivo e injustificado. Se você pergunta por que ele ou ela está assim, a resposta é sempre algo como: ‘você sabe muito bem o motivo de eu estar assim’ – mesmo que você não tenha a menor ideia do que ele ou ela possa estar se referindo.

Como é possível notar, uma relação abusiva não necessariamente envolve violência ou agressão física. A agressão psicológica pode ser a grande protagonista dessa relação e isso destrói a autoestima de qualquer pessoa. A agressão psicológica, pode sim, ser o início do que pode terminar em violência física, gerando problemas de saúde mental e até mesmo resultar em morte.

Como sair dessa situação?

“Procure ajuda especializada para identificar a melhor saída para seu caso, de forma muito bem refletida e planejada, já que é preciso evitar piorar as coisas e não permitir qualquer risco à sua integridade física. A saída deve ser escolhida de forma a trazer o menor prejuízo, seja psicológico, físico ou moral para todos os envolvidos. A vida é muito curta para mantermos uma relação tóxica. Decida por sair desta situação o mais rápido possível”, disse o especialista em tomada de decisões.Por Redação Folha Vitória / Foto: Divulgação / Por Larissa Agnez

abr05

Jovem alagoana pediu ajuda para carioca por Facebook.
Eles participavam de projeto em comum e se viram 4 vezes antes de casar.

Encontrar a cara-metade nem sempre é uma tarefa fácil. Há quem diga que o grande amor está no trabalho, na vizinhança ou na faculdade. Mas, e quando ele está em uma rede social? Foi assim que a jovem alagoana Raphaela Queiroz, 21, conheceu o carioca Demóstenes Ramos, 23.

Em dois meses de namoro virtual, Ramos viajou para Maceió e pediu Raphaela em casamento (Foto: Arquivo Pessoal)

A distância de mais de dois mil quilômetros não foi empecilho para o casal que se viu apenas quatro vezes antes de casar. “Nunca tive nenhuma experiência em relacionamento à distância. Nunca imaginei em um dia me casar com uma pessoa que havia conhecido pelo Facebook”, disse Ramos.

Não é novidade que o advento da tecnologia possibilitou que pessoas de diversos lugares do mundo se relacionem.

Um estudo da organização americana Pew Research Center, feito em 2006, mostra que 10 milhões de usuários de internet se dizem solteiros e estão à procura de parceiros românticos.

Destes, 74% disseram ter usado a rede de uma forma ou outra para promover seus interesses românticos. Ainda segundo a pesquisa, cerca de 30 milhões de pessoas dizem que conhecem alguém que tem ou teve um relacionamento de longo prazo ou que casaram com alguém que conheceram on-line.

De acordo com o consultor de tecnologia Valdick Sales, o relacionamento virtual tem sido cada vez mais comum e é uma das melhores maneiras de se relacionar.

Ela não imaginava que eu fosse tão alto e nem eu que ela fosse tão pequena.Demóstenes Ramos, 23

“No ambiente virtual, as pessoas primeiro conhecem as outras como elas são. Ou seja, ela conhece a pessoa primeiro para depois se relacionar. É mais seguro do que conhecer alguém em uma balada, onde o casal se envolve primeiro e depois é que se conhecem”, opinou.

Além da internet, foi a música que dissolveu as fronteiras e aproximou a universitária Raphaela e o publicitário Ramos. Os dois participavam de um projeto social em comum, que existe em todos os estados do Brasil, e Raphaela precisava de uma música do projeto para um evento.

“Procurei ele e outros integrantes para saber se tinham a música que eu precisava. Mas o Demóstenes foi o único a me ajudar. Ele não tinha a música, mas ficou procurando junto comigo até eu achar. Pediu meu telefone para me avisar caso encontrasse e me ligou no mesmo dia para puxar assunto”, contou Raphaela.

A partir de então, as trocas de fotos, videochamadas e as longas conversas por telefone e redes sociais passaram a ser constantes na vida do casal. Para que o relacionamento desse certo, eles decidiram que a sinceridade e confiança seriam fundamentais.

“Eu e Raphaela conversávamos todos os dias por horas, no início é complicado, pois na mente fica um conflito em acreditar ou não, mas passei a acreditar em suas palavras. Expusemos nossas qualidades e principalmente os defeitos, e nos comprometemos a fazer dar certo, confiando um no outro”, disse Ramos.

A primeira vez que o casal se viu, percebeu uma diferença gritante, que não era possível perceber em fotos ou vídeos. Raphaela tinha 1,53 metros de altura e Ramos 1,91. Além de alto, ele era forte e ela, magra.

“Nossa diferença de altura e porte físico era bastante acentuada. Sabíamos da diferença, mas não imaginávamos que fosse tanta, afinal esse tipo de detalhe não dá pra ter muita noção nas fotos”, afirmou Ramos.

O casal se viu após dois meses de namoro à distância. E, o amor foi tanto que Ramos já viajou com as alianças para pedir Raphaela em noivado.

Segundo ele, não fazia muito sentido namorar à distância por muito tempo, já havia dentro dos dois uma convicção do que queriam, mesmo parecendo precipitado para muitas pessoas.

“Sempre fui uma pessoa de atitude, e quando descobri que realmente estava não apenas gostando, mas aprendendo a amá-la, logo a pedi em noivado, comprei minha passagem e fui ao seu encontro com o par de alianças na minha bagagem. Minhas atitudes e confiança fizeram com que ela aceitasse. Eu confiei nessa relação por nós dois”, relembrou.

Mas como nem tudo é um mar de rosas, as dificuldades vieram. Segundo Ramos, conquistar os avós da Raphaela foi muito difícil. Porém, o desejo de ficarem juntos foi mais forte.

“Lembro no primeiro dia que fui a casa dela, parecia um julgamento onde eu era o réu, ela a vítima e os avós dela os juízes. Mas, por fim, mostrei quem eu era de fato, e hoje eles me têm como um filho”, contou.

“Os meus avós pensavam que ele poderia ser tudo (estuprador, assassino, falsário) por causa das notícias que a mídia conta sobre esse tipo de relacionamento. Meu avô, que é do interior e nunca teve contato direto com a internet, só acreditou que nós iríamos casar na semana do casamento”, completa Raphaela.

Depois da primeira etapa vencida, a saudade passou a ser outra pedra no caminho do casal. “Sempre que podia, a cada três ou seis meses ia visitá-la. Mas foram tempos complicados. A pior parte é quando ela tinha que me deixar no aeroporto, onde a despedida era uma tortura, parecia um sonho ruim na hora de partir”, relatou Ramos.

O casal ficou noivo durante um ano e três meses e a quinta vez que se viram já foi no casamento. Eles estão casados há um ano e cinco meses e a jovem foi morar no Rio de Janeiro.

Segundo Valdick Sales, apesar de muitos relacionamentos via redes sociais darem certo, é necessário ter alguns cuidados na hora de conhecer alguém.

É importante lembrar que o ambiente virtual é uma réplica da sociedade, onde existem pessoas boas e más.

“A pessoa tem que estar atenta às normas do ambiente. Se conheceu alguém, deve marcar o encontro em local público, pois é mais seguro”, alerta.

O consultor também aconselha que é bom conhecer os amigos do pretendente. “Se a pessoa estiver bem intencionada, vai querer que você conheça os amigos dele. Outra coisa fundamental é os pais saberem quem é a pessoa. Para a segurança, todo mundo tem que estar sabendo dessa relação via tecnologia”, completa.

Fonte: Do G1 AL / (Foto: Arquivo Pessoal)

mar20

Pesquisadores investigam se casais que se parecem são mais ou menos felizes.

Um casal de noivos posta durante o eclipse lunar total em Brasília — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Das muitas espécies monogâmicas encontradas na natureza, como alguns pássaros e peixes, estudos têm mostrado um padrão: pares semelhantes são mais bem-sucedidos na reprodução de sua linhagem.B

Pela lógica, essa vantagem evolutiva também poderia ocorrer no caso de humanos.

E, de fato, psicólogos e outros especialistas têm defendido há tempos que semelhanças entre casais são provavelmente benéficas, uma vez que os parceiros compartilham dos mesmos valores, objetivos de vida e visões de mundo. No entanto, por mais intuitiva que essa ideia pareça, as tentativas de comprovar cientificamente essa hipótese falharam.

Agora uma equipe de psicólogos da Universidade de Amsterdam, na Holanda, acredita ter a resposta. O grupo desenvolveu uma abordagem bem mais sofisticada e mais atenta a nuances do que as pesquisas anteriores.

A pesquisa se baseia no modelo dos “Big Five” (ou Os Cinco Grandes Fatores) da personalidade humana. Trata-se de uma teoria comumente aplicada pela psicologia que mede os níveis de cinco características do indivíduo: “extroversão” (extraversion), “neuroticismo” (neuroticism), “agradabilidade” (agreeableness), “conscienciosidade” (consciousness) e “abertura a experiências” (openness).

Os resultados mostram que a semelhança entre parceiros realmente importa – especialmente na característica de “agradabilidade” -, mas que, em alguns casos, a “combinação perfeita” não é a que traz maior bem-estar ao casal.

Sobre o quanto essas semelhanças afetam os relacionamentos, a pesquisadora-chefe Manon van Scheppingen e seus colegas explicam que quase todas as pesquisas anteriores tiveram uma abordagem do “tudo ou nada”, sem levar em conta algumas questões mais sutis.

Por exemplo, o senso comum sugere que, se ambos os parceiros têm alta “conscienciosidade” (ligada à autodisciplina), a semelhança nesse caso é benéfica.

Mas se um dos cônjuges tem um nível mais baixo dessa característica, segundo a especialista, talvez seja melhor para o relacionamento que o outro tenha o traço mais acentuado, promovendo uma espécie de efeito compensatório benéfico para o casal.

Semelhança e bem-estar

A equipe de Van Scheppingen analisou informações como traços de personalidade, bem-estar e satisfação de milhares de casais americanos em relacionamento duradouros. Eles levaram em conta a pontuação relativa dos indivíduos em cada um dos cinco traços de personalidade básicos.

Assim como em outras pesquisas, esse grupo mostrou que o mais importante no bem-estar do casal é o efeito direto da personalidade de cada um.

Ou seja, indivíduos tendem a ser mais felizes se o parceiro ou ele próprio for mais agradável, colaborativo e menos neurótico (o que é consistente com o que se sabe da correlação entre traços de personalidade e níveis de felicidade).

No entanto, ao contrário de pesquisas anteriores, isso não conta a história toda.

A equipe descobriu que a comparação entre os níveis das características do casal também pesa de forma moderada, mas relevante. Ou seja, uma combinação muito perfeita das características geralmente não é benéfica.

Por exemplo, ter o mesmo nível de extroversão que o parceiro ou parceira não é o ideal para o bem-estar do casal – o mais adequado é que um seja mais extrovertido do que o outro. Casais com baixa conscienciosidade também podem encontrar dificuldades – o ideal é que pelo menos um deles tenha um nível relativamente alto do traço.

A exceção, apenas no caso das mulheres, é a agradabilidade: um traço associado a confiar no outro e ter mais empatia.

A maior similaridade com o parceiro é vista como a situação ideal, de forma que ela sinta mais apoio no relacionamento. Um fator menos decisivo, mas que afeta ambos os sexos, é o grau de semelhança para “abertura”: um traço associado a aproveitar novas experiências e apreciar arte e cultura.

Van Scheppingen e sua equipe acreditam que essa semelhança seja benéfica porque a abertura tem relação com valores e política (quanto maior a abertura, mais forte a sua orientação liberal, por exemplo).

A semelhança, dessa forma, poderia garantir “menos conflitos nas visões e ações dos cônjuges, o que poderia promover mais bem-estar na relação”, escreveram os pesquisadores.

Semelhança e duração

Um artigo de 2013 avaliou a semelhança de casais e a duração dos relacionamentos.

Sem dúvida, a longevidade da relação é uma medida mais objetiva do que a percepção de bem-estar e a sensação de apoio do parceiro. Beatrice Rammstedt, do Instituto Gesis Leibniz para Ciências Sociais na Alemanha, aplicou quase cinco mil questionários de personalidade de casais alemães e os acompanhou por cinco anos.

Sua equipe descobriu que os casais que eram mais parecidos em traços de abertura tinham mais chances de permanecer juntos.

Esses não são os únicos estudos que revelam algum benefício na semelhança dos casais. Uma pesquisa publicada em 2017 no Journal of Research in Personality mostrou que mulheres se beneficiam quando os níveis de abertura são semelhantes aos de seus parceiros – a situação ótima era quando ambos tinham níveis moderados de abertura.

Outra pesquisa do mesmo periódico descobriu que a semelhança entre casais era útil no caso de indivíduos ansiosos por vínculo – aqueles que temem ser abandonados.

Outros fatores para além dos traços de personalidade são relevantes.

Paulina Jocz e sua equipe da Universidade de Varsóvia mostraram, por exemplo, que casais são mais felizes se compartilham do mesmo cronotipo – ou seja, se são ambos diurnos ou noturnos. Os casais demonstraram mais satisfação sexual, inclusive, se se assemelham em que período do dia ou da noite preferem fazer sexo.

Outro estudo mostrou que as mulheres eram mais felizes em seus relacionamentos quando compartilhavam da mesma orientação política que seus parceiros. E tanto homens quanto mulheres eram mais satisfeitos se o casal desse o mesmo peso a valores como liberdade e independência.

Esses estudos buscam comparar a semelhança de companheiros da forma mais objetiva possível.

Mas claro que as percepções subjetivas e o sentimento pelo parceiro são tão importantes quanto – talvez até mais. Com relação a isto, psicólogos têm analisado a sensação de compartilhar a identidade com seu parceiro ou sua parceira, ou o que Courtney Walsh e Lisa Neff, da Universidade do Texas, em Austin, chamam de “fusão de identidade”.

Em um experimento que estuda os recém-casados, elas descobriram que os indivíduos que sentiam um senso de identidade compartilhado com o do cônjuge tendiam a ter mais confiança no relacionamento e a lidar de maneira mais construtiva com as turbulências conjugais.

Seria interessante saber como as percepções de uma identidade compartilhada interagem com a semelhança entre casais. Afinal, se for possível chegar a um nível de companheirismo em que você e seu parceiro se tornaram um, parece provável que as questões de semelhança e diferença se tornarão secundárias.

Por BBC

fev25

1 – Os motivos por trás do flerte


Paqueramos por seis razões: sexo; diversão; test-drive de como seria estar em um relacionamento; tentativa de melhorar a autoestima; busca de melhorar o relacionamento atual; e como uma maneira de conseguir algo da pessoa com quem se está flertando.

No estudo que elencou essas motivações, o pesquisador descobriu também que homens costumam flertar mais por motivos sexuais mesmo e que as mulheres geralmente flertam querendo entrar em relacionamentos sérios.

2 – Casais também precisam flertar


Quando falamos em paquera, tendemos a pensar nesse jogo de sedução como algo comum a pessoas solteiras, mas a verdade é que quem é casado ou está há muito tempo em um relacionamento sério precisa paquerar também.

Um estudo de 2012 avaliou a vida amorosa de 164 pessoas casadas e os resultados mostraram que casais geralmente sussurram no ouvido de seus parceiros como uma forma de manter e enfatizar a intimidade.

3 – Sobre o melhor jeito de puxar conversa


Uma pesquisa realizada a partir das respostas de 600 pessoas revelou que homens tendem a preferir abordagens diretas como “gostei de você, posso te pagar uma bebida?”. Mulheres, por outro lado, gostam de cantadas mais sutis e também de aproximações que comecem de forma despretensiosa, perguntando se ela gosta de determinada banda, por exemplo.

4 – Sobre as perguntas que se faz


Se a ideia é ir além do flerte de um dia só, fique atento ao tipo de pergunta que você faz à pessoa que está na sua mira. Questionar assuntos mais pessoais e emotivos geralmente cria conexões mais fortes entre as pessoas, então, em vez de investir em conversinhas de elevador, busque fazer perguntas mais intrigantes como “qual é o papel que o amor tem na sua vida?” e “que assunto é sério demais para que alguém faça piada sobre ele?”.

5 – Os homens superestimam o interesse feminino


Em relacionamentos heterossexuais, homens interpretam o interesse feminino com exagero e mulheres tendem a subestimar a forma como interpretam as demonstrações masculinas de interesse sexual. Basicamente, os meninos tendem a acreditar que mulheres estão interessadas mesmo quando elas não estão e mulheres tendem a não perceber quando um homem está demonstrando interesse. Assim complica!

As explicações para isso podem estar no fato de que homens são criados social e culturalmente de maneira a enxergar mais sexo em suas rotinas enquanto as mulheres são levadas a pensar e agir de modo mais discreto quando o assunto é sexo.

6 – Nosso gênero define o que consideramos atraente


Homens consideram mais atraentes as mulheres que têm expressão de felicidade – elas, por outro lado, consideram a felicidade como um dos aspectos menos relevantes em termos de atração.

Para as mulheres, a expressão facial masculina de orgulho é considerada a mais atraente – os cuecas, no entanto, não enxergam essa mesma expressão como atraente nas mulheres. Em ambos os gêneros, a expressão de vergonha parece exercer grande poder de atração. Essas conclusões fazem parte de um estudo realizado em 2011, pela psicóloga Jessica Tracy, da Universidade da Columbia Britânica.

7 – Um toque de leve pode ser a cereja do bolo na hora do flerte


Não se trata de ser invasivo nem de demonstrar intimidade com alguém que você nem conhece direito – é preciso ter noção, hein! Um estudo realizado em 2004 fez com que 20 homens abordassem mulheres na rua, pedindo seus números de telefone: na metade do tempo, eles apenas faziam a abordagem e o pedido; depois, tocavam o antebraço das mulheres com as quais falavam. Os resultados mostraram que os homens tiveram mais sucesso quando tocavam de leve o braço das mulheres abordadas.

8 – Para se dar bem no flerte, não é preciso ser a pessoa mais bonita do recinto


Se você costuma testar seus dons de sedução em bares, baladas e afins, saiba que as pessoas tendem a abordar não necessariamente as figuras mais bonitas do local, mas as que fazem mais contato visual com os outros e sorriem mais.

Fonte: www.megacurioso.com.br / Por  EQUIPE MEGACURIOSO

fev11

Algumas atitudes em relação ao outro se tomadas em público podem enfraquecer o relacionamento

Respeito. Eis uma das palavras mais importantes dentro de um relacionamento amoroso. É fundamental que o casal lembre sempre de tratar o outro como deseja ser tratado. Por isso, se você não gosta de exposição da intimidade de vocês, porque então alardear em público e aos quatro cantos as fraquezas que seu parceiro tem? Ou critica-lo frequentemente para seu grupo de amigos? Conheça algumas atitudes como essas que são prejudiciais enfraquecem o compromisso que vocês têm um com o outro.

1.Críticas excessivas

Fazer uma crítica construtiva que o ajudará a se superar em uma atividade, tudo bem. Mas criticar tudo o que o outro faz, rebaixá-lo e mostrar desprezo por quem ele quer ser, é tóxico. Além disso, essa postura mostra que o seu relacionamento não é um lugar seguro para ele estar.

2.Não faça do outro um saco de pancadas

Piadas depreciativas, que não fazem rir, mas machucam ao mostrar que você não se importa com aquela pessoa que faz parte diariamente de sua vida. Ao sinal de que as supostas brincadeiras passaram a ser ofensivas, parem e conversem para ver os limites.

3.Evite compartilhar detalhes da sua vida amorosa com outras pessoas

Problemas todos têm. Mas não é preciso que todo o círculo de amigos de vocês saiba das faltas, incertezas e mesmo discussões que acontecem entre o casal. A não ser que seja um casal de confiança, a quem seja importante pedir conselhos, não saia mostrando detalhes da vida íntima de vocês para todo mundo. Isso faz com que a confiança seja perdida.

4.Não trate o outro como uma criança

Evite dar instruções do que seu parceiro deve ou não fazer. Pode não parecer para aquele que “está coordenando”, mas para o outro é como se ele não fosse capaz de realizar uma simples tarefa. Se precisar ensinar algo, mostre com carinho como você gostaria que ele fizesse. Não saia mandando e desmandando, como se o seu parceiro ainda não tivesse nem aprendido a andar.

5.Pare de contradizer seu parceiro em público

Quando o outro estiver falando, e isso é uma dica para qualquer relacionamento social, não interrompa. E não corrija também. Ele disse algo errado? Espere o momento oportuno e lhe aconselhe sobre como deve ser dito na próxima vez. Corrigir o outro em frente às pessoas ou atropelar uma conversa é humilhante e desrespeitoso.

Fonte: www.semprefamilia.com.br

jan14

Nenhuma das razões alegadas contra as relações matutinas mudam o fato de que nosso corpo está mais disposto na primeira hora do dia

Parece que nos empenhamos em deixar o sexo para a noite. Um costume que não só nos tira tempo de descanso como prejudica nosso desejo sexual. Em vez disso, deveríamos nos habituar a praticá-lo pela manhã. Algo que não só pode melhorar nosso ânimo ao despertar, como tem uma série de efeitos positivos para nossa saúde física e psicológica.

É o que explica Carlos San Martín Blanco, coordenador Nacional do Grupo de Trabalho de Sexologia da Sociedade Espanhola de Médicos de Atenção Primária (SEMERGEN): “Apesar de culturalmente a prática de relações sexuais costumar ser mais habitual à noite, esse momento do dia não é exatamente o mais indicado”. As razões, diz, são óbvias: “O cansaço acumulado do dia todo e a expectativa de acordar cedo no dia seguinte”. E afirma que o momento de despertar, na primeira hora da manhã, é mais adequado.

Os hormônios sexuais aumentam pela manhã
E não é bobagem: a manhã é mais adequada para o sexo fisiologicamente falando. “É quando chegamos aos níveis mais altos de hormônios diretamente envolvidos em nosso desejo e rendimento sexual, como a testosterona, o estrógeno e a oxitocina.” Uma questão nada desprezível, já que o aumento da testosterona, segundo estudos, melhora tanto a libido como a ereção masculina. E o estrógeno, na verdade o estradiol, favorece o desejo e o comportamento sexual das mulheres.

“Em outros momentos do dia, sobretudo a partir do meio da tarde, os níveis desses hormônios vão caindo segundo o ritmo circadiano”, esclarece o especialista. Isso significa que, apesar de “fisiologicamente conseguirmos responder perfeitamente, não estamos em condições ideais”. E tudo isso se soma ao fato de que “o cansaço derivado de nossas atividades diárias pode influir no rendimento físico de nossa resposta sexual”.

Diminui o estresse e favorece a saúde cardiovascular
Outra questão a levar em conta é que uma sessão de sexo funciona como um ansiolítico natural, afirma a sexóloga Laura Marcilla: “Ajuda a diminuir o estresse”. Cabe lembrar que o estresse e a ansiedade são fatores que influem em doenças como a obesidade, razão pela qual um estudo realizado em The Rockefeller University de Nova York (EUA) concluiu que “a capacidade de aplicar sistemas de recompensa diante do estresse pode ser explorada como um meio de reduzir a contribuição do estresse vital para a epidemia de obesidade e outros transtornos relacionados a ele”. E um desses sistemas de recompensa pode ser o sexo.

Além disso, lembra Laura Marcilla, “o sexo é um bom mecanismo para liberar endorfinas —como a dopamina e a ocitocina— que nos ajudam a nos sentir felizes, relaxados e unidos a nosso parceiro ou parceira”. Apesar de este benefício poder ser obtido a qualquer hora do dia, a diferença de praticar durante a manhã ou à tarde é que “o aumento da primeira hora é mais efetivo para enfrentar os conflitos que podem surgir ao longo do dia”, afirma a especialista.

O sexo também é uma boa atividade cardiovascular e, de fato, na Fundação Espanhola do Coração afirma-se que “a prática sexual de forma periódica ajuda a reduzir as probabilidades de se sofrer um infarto”. E lembra que “a atividade sexual está relacionada à prevenção de doenças porque eleva o nível de imunoglobulina, o que protege de infecções e favorece uma maior resistência às doenças”. Apesar de Marcilla esclarecer que não podemos usar o sexo como substituto dos exercícios, “realmente serve como complemento”.

Os ‘poréns’ do sexo matutino e suas soluções
Mesmo com todos esses benefícios, sempre há quem encontre um ou vários poréns para se deixar levar pela paixão na primeira hora da manhã e se apoiam em questões como o hálito matutino, a vontade de continuar dormindo ou a falta de tempo. Todas são fáceis de resolver, afirma a especialista: para o problema do hálito, basta deixar uma balinha mentolada no criado-mudo de noite ou escolher posições que não exijam estar frente a frente com o parceiro; quanto ao sono, praticar um sexo mais suave e pausado, que nos ajude a passar de forma tranquila e divertida do sono para a vigília; e para a falta de tempo, colocar o despertador para um pouco antes, tomar banho juntos para ganhar tempo e brincar no processo e preparar na noite anterior todo o necessário para a manhã seguinte, e assim por diante”.

Além disso, a especialista explica que há casais que têm outras dificuldades, como a luz: “Apesar de certas pessoas gostarem de fazer em plena luz do dia, outras não se sentem à vontade em fazer sexo com uma luz muito intensa e preferem a penumbra”. Nesse caso, “as persianas ou cortinas grossas seriam suficientes para derrubar esse pretexto”. No entanto, mas do que evitar a luz, a sexóloga aposta em superar esse impedimento, sobretudo se a motivação está na pessoa “não se sentir à vontade com o próprio corpo”.

Por último, a sexóloga reflete sobre uma questão que considera a mais difícil de superar: “Não ter parceiro ou não conviver com ele”. No entanto, também tem solução. “A masturbação a sós também é uma atividade perfeitamente válida e plenamente satisfatória, que oferece igualmente muitos dos benefícios antes mencionados”, conclui.

Fonte: El País / Por SILVIA C. CARPALLO

dez26

“Traição é traição, romance é romance, amor é amor e um lance é um lance”, já diria o funk dos Hawaianos; mas será que, na prática, é assim que funciona?

Que lindo seria se a vida a dois fosse exatamente como descrita nas histórias de amor clichês: o casal se conhece, flerta, se apaixona, namora, casa e é feliz para sempre. Mas sabemos que, no mundo real, é muito difícil seguir essa ordem, muito menos esse padrão. E, mesmo quando se passa por todas essas etapas, ainda há a possibilidade de viver turbulências, que incluem problemas como decepção, briga, ciúme e traição.

Esse último item, inclusive, é bastante temido por quem vive um relacionamento, sendo o motivo de muitas separações. Isso porque, para a maioria das pessoas, a traição é encarada como o fim do amor, da cumplicidade e do respeito.

Mas será que trair significa tudo isso mesmo? Para Ruben Buell, presidente do Ashley Madison , um site desenvolvido para ajudar pessoas a encontrar parceiros para um relacionamento extraconjugal, nem sempre ter um amante significa que tudo está perdido.

“Muitos dos nossos usuários contam também que quando eles tiveram um caso extraconjugal muitas vezes eles retornam para o seu cônjuge melhores como companheiros, parceiros, pais e o casamento fica melhor”, afirmou, em entrevista prévia ao Delas.

A história da publicitária Maria*, de 27 anos, é a prova de que uma relação fora do matrimônio não é sinônimo de término. Casada há dois anos, ela e o marido não estavam tendo nenhum problema aparente no relacionamento. No entanto, a convivência tinha entrado na mesmice e a “perdido a graça”, como ela mesmo define.

“Sempre soube que eu amava meu marido, mas estava querendo muito em viver uma aventura. Senti a necessidade de buscar por outra pessoa e a oportunidade aconteceu”, conta. Segundo Maria, a experiência só colaborou para que o casamento melhorasse.

“Vivi o que tinha que viver e acabou. Isso me ajudou a entender melhor o que eu buscava para mim mesma e para meu relacionamento. Voltamos a nos interessar um pelo outro e a dialogar sobre o que fez o casamento esfriar. Hoje estamos melhores do que antes”, revela.

Amor x Traição

Muitas vezes a “pulada de cerca” não tem relação com amor, de acordo com quem já teve essa atitude. “Fui muito criticada por minhas amigas quando contei que traí meu ex-namorado. A maioria me aconselhou a terminar, tentaram me convencer de que eu não o amava mais. Mas eu não queria terminar porque não foi por falta de amor que o traí. Foi uma situação muito mais ‘carnal’ do que sentimental”, revela Ana*, pedagoga, de 25 anos.

Ana conta que chegou a confessar ao ex-parceiro que o tinha traído, mas a reação dele não foi compreensiva como ela esperava. “Achei que ele entenderia, já que ele também já havia me traído no início do relacionamento e eu perdoei. Hoje penso que ele não soube  perdoar uma traição  e por isso terminamos”, conta ela, que se não fosse pela vontade do ex-companheiro de separar, estaria namorando com ele até hoje.

“O que nossos usuários dizem é que a vida não é o conto de fadas da Cinderela que costumamos ouvir. Depois de muitos anos de casamento, algumas coisas vão muito bem, eles continuam amando o parceiro, e há outras coisas que já não vão tão bem, algumas deixam de existir e uma delas é o sexo”, analisa Ruben.

De acordo com o presidente do Ashley Madison, muitos dos usuários da ferramenta admitem ter ido procurar ajuda antes de partir para a infidelidade . “Foram para terapia de casais, conversaram com o parceiro sobre isso e ainda assim continuam em uma relação na qual o sexo não faz parte e eles não querem continuar com essa ausência na vida deles tendo 35 ou 40 anos de idade”, afirma.

Traição é “popular” no Brasil

É claro que ninguém começa um relacionamento pensando em trair. Mas refletir sobre a atitude pode ser interessante, tendo em vista que essa é uma prática bastante comum. Um levantamento feito pelo site aponta que mais de 100 mil pessoas do mundo todo se inscrevem na plataforma a cada semana.

São Paulo é a cidade com o maior número de usuários que buscam a traição em todo o planeta, com mais de 1,6 milhão de membros, seguida de Nova York e Rio de Janeiro. Além disso, Brasília, capital do país, aparece em 8º lugar. “Isso mostra que a natureza humana não foi construída para relações monogâmicas. Parece que é algo que as pessoas têm como conflito no mundo todo”, fala Ruben.

Diferente de outros países, o Brasil tem quase o dobro do número de mulheres em relação a homens no site, com uma proporção de 1,91  mulheres ativas para cada 1 homem ativo. De acordo com Ruben, as mulheres estão buscando mais prazer e satisfação em seu lado romântico e, quando não estão conseguindo isso no casamento, se sentem encorajadas o suficiente para buscar em outro lugar, como um site de relacionamentos extraconjugais.

“Nós consideramos que isso é algo relacionado à afirmação feminina. A mulher está mais forte e decidida a assumir a sua própria vida, inclusive no sexo”, comenta.

“Todo mundo já traiu ou foi traído”

“Todo mundo já traiu ou foi traído. Não tem muito jeito de escapar. Por isso acho que as pessoas deviam parar de ser hipócritas e encarar a traição como um obstáculo que pode ser superado sim, caso ainda haja amor e vontade de ficar junto”, analisa Maria.

Contudo, nem todo mundo que trai concorda que é possível continuar. A fisioterapêuta Bruna*, de 29 anos, conta que com ela a situação foi diferente e, para ela, o caso fora do relacionamento foi um divisor de águas. “Eu só tive coragem de aceitar que não amava mais meu namorado quando o traí.”

Ela conta que nunca tinha tido interesse por outros homens, mas desde que começou a se relacionar com um rapaz do seu trabalho passou a prestar atenção no que sentia pelo parceiro.

“No começo, ficava tentando me convencer de que estava vivendo uma aventura que teria fim em breve e tudo continuaria igual. Mas logo comecei a querer ficar com outras pessoas… o namoro ficou insustentável e terminei”, diz Bruna.

Independente dos exemplos citados, é preciso deixar claro que não existe um fórmula mágica que define se a traição deve ou não ser relevada. Cada caso é um caso, e não há ninguém mais indicado para avaliar qual decisão tomar se não você mesma.

*Os sobrenomes foram omitidos a pedido das mulheres

Fonte: Delas – iG @ https://delas.ig.com.br/amoresexo/2018-12-24/traicao-tem-a-ver-com-amor.html / Foto: shutterstock

 

nov30

1 — Fazer sexo ajuda você a respirar melhor 

Boa notícia para os asmáticos: fazer sexo é como mergulhar em uma piscina de anti-histamínico, o que, por sua vez, melhora a qualidade da sua respiração e diminui os efeitos da asma.

 

2 — Você fica com uma aparência mais jovem

Deixe de lado os cremes que prometem rejuvenescer sua pele e aposte em uma bela rodada de sexo, se tiver como. Um estudo envolvendo 3.500 pessoas com idades entre 18 e 102 anos descobriu que pessoas que faziam sexo tinham menos níveis de estresse, demonstravam maior contentamento com a vida, dormiam bem e aparentavam ser mais jovens. Ou seja: bora!

 

3 — Seu corpo se defende melhor de algumas doenças

Manter uma rotina sexual de uma ou duas vezes por semana aumenta em 30% a sua produção de imunoglobulina A, que faz com que seu sistema imunológico trabalhe superbem. Além disso, já é sabido que uma vida sexual ativa diminui seus riscos de desenvolver alguns tipos de câncer, doenças cardíacas e, inclusive, de ter um derrame. Como se isso já não fosse bacana o suficiente, fazer sexo também ajuda você a se livrar daquela gripe chata.

 

4 — Fazer sexo queima calorias

Isso você já deveria saber, né? Mas vamos aos números, então: depois de 20 minutos de ação entre os lençóis, você já vai ter queimado cerca de 100 calorias, o que já é bastante coisa, viu.

 

5 — A dor vai embora

Aqui a dica é para as mulheres mesmo: estímulos vaginais acabam por aumentar a tolerância à dor, e estimular o clitóris especificamente é o mesmo do que tomar um analgésico. Isso vale especialmente para cólicas menstruais, dores de artrite e dor de cabeça.

 

6 — Fazer sexo com frequência aumenta sua expectativa de vida
Olha só que coisa boa: um estudo galês revelou que o risco de morte em homens que fazem sexo pelo menos duas vezes por semana é 50% menor em relação aos que não têm uma vida sexual muito ativa. A pesquisa contou com dados relacionados a idade, classe social e tabagismo, mas mesmo assim ficou claro que quanto mais a pessoa faz sexo, melhor.

 

7 — Aquela sensação de bem-estar vem para ficar

Quando o sexo é bom para todos os envolvidos, o que fica depois do ato é aquela sensação de felicidade e bem-estar que a gente tanto gosta. Uma pesquisa realizada nos EUA com mais de 1.800 pessoas descobriu que o orgasmo promove uma grande liberação de ocitocina e endorfina, que são substâncias sedativas. É por isso que depois do sexo com orgasmo as pessoas ficam com sono e se sentem bem.

 

Fonte: Reader’s Digest/Josephine Brouard / De Mega Curioso

Olá! Clique em um dos nossos representantes abaixo para ter atendimento online.

Atendimento Online pelo WhatsApp