Blog

dez11

Conheça os benefícios da ginástica íntima

Lu Riva dificilmente teria entrado em contato com o pompoarismo se não fosse através de uma infecção urinária intermitente. A prática, ainda mal vista por muitas pessoas, não só melhorou a saúde de Lu como revolucionou sua vida sexual e profissional: além de feliz na cama, a ex-bancária toca uma das primeiras escolas em São Paulo dedicadas ao pompoarismo.

“Quando as pessoas conseguem entender que o pompoar é um exercício físico, que traz vários benefícios à saúde e também à vida sexual, que se trata de valorização do feminino e que toda mulher deveria aprender, percebem o quanto essa técnica é rica.”, explica a especialista sobre como o olhar tanto das mulheres como dos homens tem mudado em relação ao pompoarismo.

Ainda discute-se bastante sobre a origem da técnica, mas a ginástica íntima começou a ser assunto quando o Dr. Arnold Kegel desenvolveu, na década de 40, vários exercícios voltados à musculatura genital feminina. Desde então, a saúde e vida sexual de muitas mulheres e casais tem mudado e a “ginástica do prazer” se popularizou.

Da recuperação pós-parto até orgasmos mais intensos, leia a seguir 4 razões pelas quais você já deveria ter começado a praticar o pompoarismo!

1. O pompoarismo vai melhorar sua saúde

“Eu tinha muitas crises de infecção urinária, foi então que pesquisando descobri que é cientificamente comprovado que o pompoar ajuda mulheres que têm incontinência urinaria, apesar de não ser meu caso, Comecei a treinar e estudar vários livros sobre pompoar, e quando não sabia direito como fazer o exercício marcava consulta médica, para tirar dúvida.”, conta a expert em pompoarismo, Lu Riva.

Além de serem benéficos para quem sofre com cistites e incontinência urinária, os exercícios do pompoarismo são ideais também para as gestantes, facilitando a abertura do canal para o parto e na recuperação da musculatura genital depois do nascimento do bebê. Quem sofre de infecções genitais reincidentes também sentirá diferença na saúde depois da prática do pompoarismo.

2. Você pode revolucionar sua vida sexual

Um assoalho pélvico forte é garantia de mais prazer tanto para você como para o seu parceiropompoarismo se concentra em desenvolver a musculatura dos três anéis vaginais, que quando fortalecidos, podem gerar orgasmos históricos para o casal.

Assim funcionam os exercícios sexuais, para quem está em um estágio mais avançado do pompoarismo: apenas com a musculatura dos anéis vaginais a mulher pode simular o efeito do sexo oral no homem (“sugar”) ou “estrangular” — técnica que consiste em apertar o pênis do parceiro no momento da ejaculação garantindo um orgasmo mais longo.

 

3. Você pode começar a fazer pompoarismo em casa

Preguiça ou falta de tempo não são desculpas para não começar já a fazer sua ginástica vaginal. Você pode fazê-la em qualquer momento do dia, em casa, no trabalho, no metrô e até sentada!

A especialista em pompoarismo Lu Riva passou as dicas para quem quer começar a praticar o pompoar now:

1) “Para achar primeiro anel: a mulher deve se sentar na cadeira, em cima de sua mão. Ela vai se concentrar na entrada da vagina, então ela vai tirar o ar tentando contrair a entrada da vagina. O exercício estará correto se ela sentir o períneo (músculo que divide a vagina do ânus) movendo em sua mão.”
2) “Segundo anel: fique em pé com as pernas um pouco abertas, com a bexiga vazia, faça um movimento como se estivesse segurando a urina. O movimento estará correto se você sentir o clitóris mexendo sutilmente.”
3) “O terceiro anel: deite-se de costas e relaxada. O terceiro anel fica no pé da barriga, onde fica a marca da cesárea ou para quem não fez cesárea, no pé da barriga. Tire todo o ar dessa região. Aí estará o terceiro anel.”Para quem quer começar usando os brinquedinhos, Lu Riva dá as dicas:

“O colar tailandês é ótimo pois ele ajuda a aluna a desenvolver a coordenação entre os anéis vaginais. O ben wa (duas bolinhas com peso) desenvolve a força, e o vibrador específico para o treino desenvolve o músculo e a velocidade dos movimentos.”

4. Aumente a sua libido

Quem acha que o pompoarismo só entra em ação na hora do ato sexual, pense de novo. Os exercícios também estimulam a consciência corporal e criam uma ligação mental maior com os órgãos genitais, fazendo com que a mulher consiga controlar sua libido a partir da contração e descontração da musculatura da região pélvica.

A ginástica do pompoarismo estimula a área genital e gera maior fluxo sanguíneo na região, estimulando o órgão fazendo você entrar no clima quando quiser.

Fonte: http://www.taofeminino.com.br/sexo/pompoarismo-s2315050.html / Por  Fernanda Guimarães / Foto: © iStock

nov30
A mesmice do relacionamento e a rotina atribulada do casal pode fazer com que a vida sexual dê uma esfriada, mas alguns hábitos e atitudes podem ajudar a mantê-la firme ou até fazê-la voltar ao normal
Em relacionamentos muito longos, é natural que a rotina atribulada, o “costume” com o parceiro e até a chegada de filhos faça com que a vida sexual dos casais dê uma esfriada. E, conforme mostra um estudo realizado recentemente no Reino Unido, isso afeta principalmente as mulheres; segundo a pesquisa , elas têm duas vezes mais chances de perder o interesse em fazer sexo após o casamento do que os homens.
 Com o tempo, é normal que aquela chama do início do relacionamento se apague e a vida sexual do casal dê uma bela esfriada. No entanto, alguns hábitos podem ajudar a mantê-la acesa ou até a trazê-la de volta
Mas, afinal, existe alguma forma de fazer com que a vida sexual seja “à prova de rotina”? Bom, cada casal é um casal e não há uma fórmula secreta para tornar relacionamentos eternos. Ainda assim, tanto especialistas quanto a ciência mostram que se empenhar em manter alguns hábitos pode ajudar a relação a não esfriar com o passar dos anos. Confira alguns desses hábitos:
1. Pare de fingir orgasmos
De acordo com um estudo feito pela DrEd – serviço britânico de consultas online –, 68% das mulheres fingem ter orgasmos, enquanto apenas 28% dos homens dizem o mesmo. Outra pesquisa realizada pela mesma companhia mostra que essa situação ocorre com mais frequência em relacionamentos sérios do que em encontros casuais. Entre os motivos apontados para isso está o fato de muitas mulheres com parceiro fixo sentirem que estarão machucando os sentimentos deles ao mostrarem que não chegaram ao clímax, mas essa não é a melhor das saídas para manter o relacionamento funcionando.
Ao site “iNews”, Isabel Losada – autora do livro “Adventures in Sex, Love and Laughter” – conta que fingir o orgasmo ou exagerar o nível de prazer durante a relação sexual é algo fatal para o relacionamento, já que, dessa forma, o parceiro nunca recebe um “feedback” sobre o que ela gosta ou não gosta no sexo. Caso a mulher tenha  dificuldades em gozar (ou seja, boa parte delas) caprichar nas preliminares, focar mais no clitóris em vez do ponto G, tocar a si mesma e até buscar ajuda com médicos ou  terapeutas tântricos são algumas das possíveis soluções.
2. Conheça seu corpo e dê dicas ao parceiro
Ao contrário do que as pessoas costumam pensar, a região genital não é a única parte do corpo capaz de dar prazer à mulher, e conhecê-las significa garantir a possibilidade de sair da rotina durante o sexo, apostando em brincadeiras e estímulos diferentes. Levando em consideração que o clitóris tem mais terminações nervosas do que o ponto G, aprender a estimular essa região é uma forma de manter as coisas prazerosas para ela na cama.
Segundo Isabel, as carícias no local devem ser tão suaves quanto ao tocar a pálpebra dos olhos e é necessário usar lubrificante. É claro, porém, que cada mulher gosta de ser estimulada de formas diferentes e, além de ser a única forma de mostrar ao parceiro o que é bom (afinal, eles estão longe de conseguir ler mentes).
3. Faça desafios e jogos
De acordo com Isabel, combinar desafios com o parceiro ou parceira e segui-los pode ser uma boa forma de apimentar a relação e até descobrir sensações novas. O casal pode, por exemplo, decidir cumprir uma tarefa por dia durante um mês e seguir o “cronograma” à risca até o final, buscando aprender mais sobre os próprios desejos e os do outro no processo.
Para a sexóloga Priscila Junqueira, jogos eróticos também são uma boa forma de manter a vida sexual ativa e divertida ao mesmo tempo. “Objetos e técnicas para proporcionar mais prazer e explorar os desejos ajudam os casais a acabarem com a rotina”, explica a especialista. E, veja bem, nem sempre é preciso comprar acessórios para essas brincadeiras; se você está sem ideias, confira aqui uma lista de jogos eróticos simple s e coloque-os em prática.
4. Dê uma fugidinha
É claro que há possibilidades de variar o local em que se faz sexo dentro da própria casa, arriscando uma rapidinha no chuveiro, na sala e até na lavanderia, mas você já pensou em levar o sexo para fora de casa? Não, não estamos falando de transar em locais públicos, e sim de uma viagem rápida. De acordo com especialistas, passar um final de semana em um hotel traz a ideia de que os parceiros estão escapando do estresse diário, ficando livres para empenhar-se na relação. Além disso, esse tipo de ambiente garante a privacidade que o casal dificilmente teria em casa se tiver filhos.
5. Deixe “Stranger Things” te ajudar
Para manter a chama de um relacionamento acesa, o casal deve sair e viajar sempre que puder, correto? Não necessariamente. Segundo informações levantadas por um estudo recente, pessoas que costumam consumir mais mídia (seja ela em forma de séries, filmes ou livros) juntas demonstram níveis de satisfação maiores com o próprio relacionamento. Obviamente, ninguém está dizendo para você grudar o traseiro no sofá e não sair dele até terminar as sete temporadas de “Game of Thrones”, mas fazer maratonas ocasionais e discutir o que foi visto pode ajudar a aproximar as pessoas de seus parceiros.
6. Ficar de olho na comunicação
Segundo Isabel, de nada adianta se pautar pelas escolhas e vontades do parceiro ou parceira e passar por cima dos próprios sentimentos. Ela afirma que todo mundo deve aprender a dizer “sim”, “não”, e “espere” para deixar tudo muito claro, principalmente na hora H. Para a especialista em sexualidade Cátia Damasceno, conversar bastante e mostrar interesse em mudar aspectos do relacionamento que incomode os dois também é algo essencial para “não deixar a peteca cair”.
7. Buscar ajuda quando o sapato aperta
Apesar de a comunicação ser essencial, às vezes – e por inúmeros motivos -, é possível que haja algum tipo de barreira no diálogo entre os parceiros. Neste caso, o psicólogo Oswaldo Rodrigues Júnior, do Instituto Paulista de Sexualidade, afirma que não há problema algum em buscar soluções para problemas na vida sexual com profissionais. Segundo o especialista, a terapia de casais pode ajudar os dois no desenvolvimento de atitudes, comportamentos e expressões emocionais que melhoram a interação do casal.
Link deste artigo: http://delas.ig.com.br/amoresexo/2017-11-12/vida-sexual-esquentar.html / Foto: Shutterstock

Fonte: Delas – iG @ http://delas.ig.com.br/amoresexo/2017-11-12/vida-sexual-esquentar.html
nov30

É hora de esquentar o clima e o aufeminin, irmão francês do taofeminino, tem dicas para você e para o(a) seu(sua) parceiro(a) – não pense duas vezes e compartilhe este link com ele(a) 😉

Antes de irmos às vias de fato, é sempre bom lembrar que #1 sexo oral deve ser feito com proteção e #2 nenhum truque da lista substitui o diálogo – você e o(a) companheiro(a) devem conversar sobre suas preferências. E isso também pode ser muito excitante. Bom, mãos (ou seriam bocas?) à obra! Além das dicas certeiras do aufeminin.com, conversamos com Fabiane Dell’Antonio, fisioterapeuta e consultora sexual, e Lelah Monteiro, sexóloga e psicanalista.

Sexo oral: dicas quentes para momentos de prazer intenso

Você quer experimentar o melhor sexo oral da sua vida? Então, o(a) bonito(a) deve estar atento(a) a alguns detalhes que fazem a diferença. Temos dicas!

Não ir direto ao ponto
O objetivo da preliminar é esquentar o clima. Começar o sexo oral de forma frenética é queimar a largada. Beijos e carícias são essenciais: pescoço, orelhas e lábios, e lentamente os seios, abdômen, coxas… quando chegar a hora de mostrar o talento, faça movimentos suaves com a língua.

O ritmo do sucesso
O ideal é iniciar o sexo oral com lambidas em ritmo mais lento, e a medida que a excitação aumenta, a variação da velocidade e pressão entram em jogo. Observe a resposta corporal – é o melhor termômetro para o seu desempenho. Variar a velocidade e os movimentos favorece a excitação.

Língua: modo de usar
A língua deve estar relaxada, para que os movimentos tenham mais ritmo. Para fazer a penetração com a língua, quando as coisas estiverem mais calientes, é melhor enrijecê-la.

​Truques espertos
Faça movimentos irregulares com a língua, aumente gradualmente a velocidade e a pressão. A mulher demora mais que o homem para atingir o orgasmo. Se ficar chato ficar só nos movimentos circulares, tente uma técnica diferente como escrever letras ou palavras com a língua. É a técnica chamada de alfabeto: tente reproduzir as letras de A a Z com diferentes velocidades e… Bingo! Também vale fingir que é uma boca – o órgão do prazer feminino é o clitóris, mas os beijos e movimentos com a língua na região da vulva, clitóris e orifício vaginal podem promover sensações muito prazerosas.

Não, você não precisa prender-se a uma listinha de estratégias. “Existem muitas técnicas e muitos mitos, gosto da simplicidade de menos regras, menos protocolos e mais entrega”, conta Lelah Monteiro. A sexológa e psicanalista observa que os resultados mais bem-sucedidos são das relações em que há de fato entrega mútua, quando o desejo não é sabotado e o prazer vem e vai aumentando de forma lúdica.

Linguagem corporal
Para que a mulher chegue ao orgasmo com um bom sexo oral, é preciso aprender a ouvir o corpo: respiração, gemidos, postura… tudo isso vai dizer se você está fazendo um bom trabalho. Uma vez que o nível de excitação vem, os dedos devem participar para encher a moça de prazer.

Posições
Fabiane Dell’Antonio dá a dica: um bom truque é estimular com o dedo indicador a região do Ponto G enquanto realiza o sexo oral. As melhores posições são as que permitem o acesso ao clitóris e região da vagina, e varia de acordo com a constituição corporal da mulher, sua preparação física e gosto pessoal. Por isso, algumas mulheres gostam de usar uma almofada. Outras posições indicadas são:

  • Ela sentada na ponta da cama e o(a) outro(a) ajoelhado(a), ou na ponta de uma cadeira.
  • Assim como a posição 69, onde as duas pessoas fazem e recebem o sexo oral ao mesmo tempo
  • E a posição onde a mulher está deitada enquanto o(a) parceiro(a) faz sexo oral nela.

Alguns motéis têm cadeiras próprias para esta prática, então vale tentar.

Como fazer sexo oral nele?

Não há nada mais sensual do que a boca. Utilize sua arma-secreta com sabedoria para conhecer o corpo do seu parceiro. Concentre-se nas partes particularmente sensíveis de anatomia masculina: a glande (ponta do pênis), os testículos e o períneo (local secreto entre os testículos e o ânus). Movimentos alternativos que simulam a penetração na vagina com a boca são uma fonte de prazer intenso para ele – experimente usar a saliva para facilitar o deslizamento. Só tome cuidado para não encostar os dentes, assim ninguém sai machucado da brincadeira. Para se certificar de que está no caminho certo, preste atenção nas reações dele, mas aproveite o momento! Sexo oral é sempre prazer a dois – no mínimo.

Algumas posições:

  • Sentadas na beira da cama com ele em pé
  • Ele em pé e ela de joelhos
  • Ele sentado na beira da cama e ela de joelhos
  • Ele deitado e ela de quatro fazendo oral

Não foque apenas no pênis
A glande, períneo e testículos são minados com terminações nervosas que pedem um estímulo carinhoso. Beijar, tocar ou até mesmo o quentinho da sua respiração nesses lugares apimentam a atmosfera antes de chegar na hora de inserir o pênis na boca.

Brinque com a língua e as mãos
Para além daquele “vai e vem”, movimente a língua com o pênis na boca. Faça pequenos círculos ao redor da glande. Use as mãos para segurar a base do pênis durante a sucção, para masturbar o parceiro e também para massagear os testículos e a parte interna da coxa dele. Experimente ritmos diferentes, pressões diferentes, lugares diferentes…

Confie na sua intuição
Quando se sentir à vontade, ouse um pouco e jogue aquele olhar sedutor para seu parceiro, vai ser muito excitante. Não tem como fugir dessa regrinha aqui, preste atenção no que acontece ao seu redor, ele vai querer saber que você está gostando, assim como vai mostrar se está curtindo.

Ritmo excelente
Um pouco de ritmo é fundamental. Para não se engasgar com o afobamento, o truque é relaxar a mandíbula e dar momentos de descanso para sua boca: respire, faça um charme, lance olhares manhosos para ele, aposte em brincadeiras… varie os movimentos e a intensidade. Comece devagar e vá aumentando a velocidade. Só tome cuidado para não exagerar: estamos falando de uma área muito sensível!

Adapte-se aos tamanhos
Com membros médios e pequenos a prática é mais fácil, mas não precisa ficar insegura na hora de fazer sexo oral em um pênis grande. “Além do tamanho do pênis, tem o tamanho da abertura da boca da mulher, então vai depender também de sua anatomia bucal. A maioria dos homens gosta de ver o pênis no máximo possível de profundidade dentro da boca, já que a glande é a área que mais proporciona prazer”, comenta Fabiane Dell’Antonio. Portanto, não se preocupe em “engolir” o membro completo do seu parceiro, lembre-se que as mãos devem ser bastante utilizadas para garantir o prazer.

Fonte: http://www.taofeminino.com.br/sexo/sexo-oral-s2110435.html / Por  Geovana Pereira / Foto: © iStock

nov30
De acordo com um estudo, eles não curtem coisas como não desgrudar do celular durante o encontro e não prestar nenhuma atenção no que eles dizem
Na hora de tentar conquistar o “crush”, é comum que as pessoas foquem os esforços na aparência e em ter gostos parecidos, mas, de acordo com um estudo recente, a maior parte das atitudes que fazem os homens considerarem um encontro com uma mulher “brochante” tem mais a ver com o comportamento delas do que a beleza em si.
A maior parte do faz os homens considerarem um encontro ‘brochante’ está no comportamento da outra pessoa.
Detalhes do levantamento
O estudo foi realizado pela CB12 Spray – uma marca britânica de spray para melhorar o hálito – e contou com a opinião de quase 2 mil solteiros e solteiras. Segundo o levantamento, a primeira característica que os homens consideram “ brochante ” em um encontro com uma mulher é falar muito sobre o ex-parceiro, opção que concentra 33% dos votos.
Empatado em primeiro lugar na lista de características que fazem os homens correrem na direção oposta está a arrogância, seguida de perto por maquiagem em excesso (32%). A lista também mostra características que não costumam ser desagradáveis apenas para homens, como mau hálito, falar de boca cheia e não dar atenção a o que a outra pessoa está falando.
O celular e os gostos da pessoa também têm um papel importante na hora da paquera. Entre as coisas que os homens mais desaprovam em uma parceira em potencial está o hábito de não largar o celular durante o encontro , tirar selfies a noite toda e ser uma pessoa muito obcecada por celebridades também.
Em um encontro (principalmente se for o primeiro), é, sim, importante falar sobre si mesma, mas, segundo o levantamento, os homens acham bem “brochante” o hábito de fazer isso o tempo inteiro. No fim da lista, ainda entram “ser muito dramática” e “ter uma risada irritante”. Bom, por mais que seja comum se importar em impressionar a outra pessoa, é importante que ela goste de você como você é. Sendo assim, nada de mascarar os próprios gostos, tentar mudar a própria risada ou dispensar a maquiagem só por ter medo de a outra pessoa não curtir.
Fonte: Delas – iG @ http://delas.ig.com.br/amoresexo/2017-11-25/caracteristica-brochante.html / Foto: Shutterstock  / Por Por iG Delas

nov30
Em campanha coordenada pelo Ministério da Saúde, a drag queen destaca a importância do uso do preservativo em videoclipe.
Em um novo videoclipe da cantora e drag queen Pabllo Vittar, lançado nesta quarta-feira, o Ministério da Saúde fez uma parceria publicitária para promover o uso da camisinha contra doenças sexualmente transmissíveis. No vídeo da música, ‘Corpo Sensual’, que também contou com a participação de Matheus Carrilho, da Banda Uó, a cantora dá destaque para o  preservativo em meio a uma cena de romance.
“Trata-se de uma oportunidade, já que a campanha traz uma mensagem de conscientização em um ambiente que não encontra resistência por parte do público”, disse Juliana Costa Vieira, coordenadora de atendimento da divisão de publicidade do Ministério da Saúde. “Dessa forma, nossa mensagem tem uma chance muito maior de ser percebida e aceita do que em numa campanha tradicional.”
Sexualidade
Segundo informações da Agência Saúde, a escolha do clipe para a campanha não foi por acaso. A artista tem grande aceitação do público e conversa com as questões LGBT. “É muito bom poder tratar de temas como a diversidade e outras transformações relevantes para a sociedade através do nosso trabalho”, disse João Monteiro, um dos diretores do clipe. “Nada melhor do que, quando falar de sexualidade, ressaltar que a camisinha é importante, que a juventude precisa usar e trazer à tona essa questão”, Fernando Moraes, que também participou da direção.
Além da camisinha, o SUS distribui gratuitamente, em conjunto às ações educativas de conscientização e prevenção, preservativos femininos e gel lubrificante, além da testagem rápida para o HIV e profilaxia pós-exposição e pré-exposição.
Casos
No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, atualmente vivem 827.000 pessoas com HIV e Aids – 327.000 ainda não estão em tratamento e cerca de 112.000 nem mesmo sabe que estão infectadas. Aproximadamente 41.100 casos são descobertos a cada ano, principalmente entre os mais jovens entre 15 e 24 anos. Quanto ao diagnóstico, o país passou de 80% em 2012 para 87%, em 2015.
Fonte: http://veja.abril.com.br/saude/pabllo-vittar-faz-campanha-para-estimular-uso-da-camisinha/ Foto: Divulgação / Por Da Redação
nov30
Descubra como o sexo matinal pode trazer benefícios físicos e mentais para a sua saúde, além de melhorar a relação com o parceiro.
Combata o mau-humor de acordar cedo e previna o estresse do dia junto com o seu parceiro. Diferente do sexo noturno, em que o casal costuma estar cansado depois de um dia cheio de trabalho, o sexo matinal pode ser ainda mais prazeroso, tornando-se uma forma mais relaxante e despreocupada de começar o dia.
Os benefícios da relação sexual de manhã são comprovados, mas nem todos estão dispostas para isso logo depois de acordar. O melhor depende de cada pessoa, e quando os dois estão a fim, qualquer momento pode ser desculpa para o prazer e o bem-estar.
Sexo matinal para começar bem o dia
De acordo com uma pesquisa da educadora sexual Debby Herbenick, da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, o sexo matinal faz as pessoas se sentirem mais felizes ao longo do dia e ainda pode fortalecer o sistema imunológico .
Isso é explicado porque a relação sexual libera oxitocina , o chamado hormônio do amor, responsável por despertar uma sensação de físico e emocional. A substância ainda conecta o casal e proporciona mais felicidade durante o dia todo.
Fonte: https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/sexo/sexo-matinal-pode-deixar-seu-dia-mais-feliz,64bf0c860db46bab37ebee81855916162wmgxm11.html / Foto: iStock/Getty Images / Vivo Mais Saudável
O sexo pela manhã também aumenta os níveis de IgA, um anticorpo que fortalece o sistema imunológico contra infecções. Além disso, eleva as taxas do hormônio estrogênio, deixando a pele, as unhas e os cabelos mais vistosos .
Outra vantagem do sexo matinal é que o nível de testosterona dos homens é muito mais alto após horas de sono – aproximadamente de 25% a 50% maior que em outros momentos do dia -, o que pode resultar em uma relação ainda mais prazerosa.
Sexo matinal não agrada a todos
Segundo a psicoterapeuta e sexóloga Erica Irene Weber, a relação traz mais bem-estar e sensação de relaxamento quando há vontade e consenso dos participantes, independentemente da hora do dia.
“Não existe diferença para o sexo noturno, pois cada casal tem suas preferências e hábitos em relação a horários. Não existe regra para haver uma relação sexual satisfatória, muito menos horários”, completa.
A vontade de fazer sexo é bastante relativa e varia de pessoa para pessoa. É o chamado do organismo, que influência também a vida sexual. Com isso, alguns podem ficar com a libido mais elevada pela manhã, enquanto outros sentem mais vontade à noite, seja homem ou mulher.
Como explica Erica, “não existe nenhuma indicação para horário de ato sexual, depende exclusivamente de cada casal. Na minha prática clínica, tenho observado que as mulheres não gostam muito do sexo matinal”.
Esse fato pode ter explicação hormonal. Devido aos níveis elevados de testosterona, que vão crescendo ao longo da noite e podem resultar na ereção matinal , os homens são mais propensos a sentir vontade de fazer sexo logo que acordam.
Apesar de as mulheres também produzirem testosterona, nelas isso ocorre em menor escala ao longo da noite, não causando o mesmo efeito que nos parceiros. Além disso, o nível desse hormônio é contrabalanceado por outros, como o estrogênio e a progesterona.
Ou seja, o sexo faz bem e traz benefícios em qualquer horário do dia, desde que seja feito de modo satisfatório para os envolvidos. A dica é experimentar horários e definir o melhor para ambos, buscando estímulos e até mesmo hábitos que favoreçam o momento certo para os dois.
nov30

Se antes sexo anal era considerado como um assunto “tabu”, hoje é motivo de interesse e procura de mulheres que, como nós, querem mais prazer ao experimentar todas as possibilidades de seu corpo. Mas, “como fazer sexo analsem dor e com muito prazer?”, você pode estar se questionando.

Para responder a esta pergunta, veja o passo a passo completo de como começar a prática e conheça os brinquedinhos que a tornarão ainda mais intensa e prazerosa.

Sexo anal: dicas para aproveitar MUITO e não sentir dor

1. Esteja segura e confiante

sexo-anal 1

Fazer sexo anal apenas para satisfazer ao companheiro é o primeiro grande erro. Tudo bem que ele quer, mas o que realmente importa é se você também deseja fazer esta descoberta.

Pense e alimente a ideia. Se concluir que sim, você quer tentar, ótimo! Partimos para o segundo passo, caso contrário dê o seu tempo e espere o melhor momento para experimentar. Sexo anal é bom, mas requer que você esteja segura e confiante de si para um intenso prazer.

2. Lubrificação é obrigatoriedade

Para ter prazer no sexo anal é imprescindível ter muita lubrificação. Nesta hora vale tudo: um bom beijo grego, por exemplo, é ótimo para incitar o desejo de ter a região explorada, mas não pense que a lubrificação para por aqui.

O uso de lubrificantes trará um verdadeiro conforto no momento da penetração. Essencial, e não um luxo na transa, este produto colabora com o prazer e previne possíveis dores. Géis anestésicos também são muito úteis e importantes para o estímulo da região! Use-os!

3. Comece devagar

sexo-anal 2

 

O segredo para um bom sexo anal é ir devagar, jamais direto ao ponto já que isso pode causar dor. Converse com o seu parceiro sobre isso antes de vocês começarem.

Depois de muita lubrificação, e enquanto vocês curtem outras facetas do sexo, comece a estimulação da região anal com o dedo. Quando se sentir segura, peça para que ele comece a penetrá-la com um, depois dois dedos. Tudo com calma e seguindo o ritmo do seu corpo!

4. Não abra mão do uso de preservativos

Algumas de nós acreditam que no sexo anal não é preciso usar preservativos, afinal, não tem como engravidar por este ângulo, não é mesmo? Acontece que em relações sexuais o risco de uma gravidez é o menor de todos!

São muitas as DST’s e demais infecções que podem ser transmitidas pela prática sem camisinha e por isso ela não pode acontecer de jeito nenhum para a preservação de sua saúde.

Além de item obrigatório, hoje existem preservativos diferenciados, aproveite para escolher um deles para maior estimulação do casal.

5. Intensifique o movimento e dê profundidade

sexo-anal 3

Depois de todo este preparo e tomados os devidos cuidados, é hora do pênis do seu parceiro penetrar em sua região íntima anal.

Siga o seu corpo e o seu desejo para ditar o tipo de movimento e de profundidade para este momento e não tenha medo de pedir para que ele pare, caso julgue que o sexo não está bom ou prazeroso para você.

E, por fim, uma dica: durante o sexo anal permita-se estimular o clitóris para um orgasmo ainda mais profundo e gostoso!

Brinquedos eróticos para mais prazer no sexo anal

Plugs anais

Acessórios que vão abrindo caminho para o sexo anal, os plugs anais podem ser comprados em diferentes formas e tamanhos – e são ideais para o uso durante o sexo oral ou penetração.

Bolinhas tailandesas

As bolinhas tailandesas, chamadas também de Ben Wa, são ótimas para estimular o desejo e o tesão para o sexo anal. Feitas em inúmeros materiais, como borracha, se tornaram mais populares graças ao filme 50 tons mais escuros. Vale conhecer e testar!

Vibradores

Os mais queridinhos entre os produtos eróticos, os vibradores também marcam presença quando o assunto é sexo anal e devem ser usados sem pudor para a estimulação do prazer. Os mini bullets podem ser os mais interessantes para começar esta brincadeira!

Capa peniana

Texturização e um sexo anal ainda mais intenso é o que você pode esperar quando seu parceiro faz uso de uma capa peniana na hora H. Com diferentes formatos, vale a pena experimentar para dar aquele up.

Dildos

Os dildos são excelentes não só para apimentar o sexo do casal, mas também um momento de puro prazer e satisfação sozinha, na masturbação.

Cuidados na hora do sexo anal

sexo-anal 4

Vale a pena destacar um cuidado básico na hora de fazer um bom sexo anal: a higienização! A região do ânus costuma ter bactérias que, ao entrar em contato com a vagina, podem causar sérias infecções em nós mulheres.

 

Sendo assim, sempre higienize os produtos eróticos e jamais use um mesmo brinquedo em ambas as partes íntimas, certo? No fim das contas o que realmente importa é o prazer! Seja no sexo anal, oral ou papai e mamãe, este contato deve nos levar as alturas, tirando nosso fôlego e nos fazendo alcançar maravilhosos orgasmos, não é mesmo?

Fonte: http://superela.com/sexo-anal-como-nao-sentir-dor / Por Dona Coelha

nov30

As chances de cair na rotina em um relacionamento aberto é bem menor, além de proporcionar muito mais experiências

FOTO: iStock

As chances de cair na rotina em um relacionamento aberto é bem menor, além de proporcionar muito mais experiênciasBrigas? Em um relacionamento aberto, elas praticamente deixam de existir.
Ainda que com intensidade menor do que algumas décadas atrás, os relacionamentos abertos, nos quais o casal concorda em se relacionar sexualmente com outras pessoas, ainda enfrentam estranhamento. Mas eles têm ganhado espaço nas conversas do cotidiano e não faltam adeptos desse estilo de se relacionar que se sintam felizes e satisfeitos com a ausência de exclusividade.

É válido deixar claro aqui que um relacionamento aberto NÃO é a mesma coisa que poliamor. Enquanto no primeiro o casal concorda em se relacionar sexualmente com outras pessoas de fora do relacionamento sem desenvolver uma relação afetiva, no poliamor existe tanto a poligamia quanto o envolvimento amoroso de uma pessoa com várias ao mesmo tempo, contanto que exista o consentimento de todas as partes envolvidas.

Se você já pensou na possibilidade de abrir seu relacionamento ou alguém te propôs isso, mas a ideia ainda não te deixa confortável, veja alguns dos benefícios que esse tipo de relação pode ter para saber se é o que você quer tanto para você quanto para sua vida em casal. Para conhecer melhor sobre esse assunto, veja também as regras do relacionamento aberto.

Mais mulheres, menos culpa
Viu aquela gata na rua e ficou a fim de conhecer ela mais intimamente? Não precisa reprimir seu desejo. Em um relacionamento aberto, nada vai te impedir de ficar com quem quiser sem se sentir culpado por estar traindo alguém, como aconteceria em uma relação tradicional. Isso sem correr o risco de perder aquela mulher única que faz seu coração bater mais rápido.

Ninguém trai ninguém
Aquela desconfiança e insegurança que geralmente rondam um relacionamento tradicional quando o assunto é traição desaparecem. Quando as duas partes concordam em se relacionar com outras pessoas abertamente, uma traição de confiança ou afeto se torna muito menos provável de acontecer e ninguém sai machucado no final da história.

 

imagem

Traições também perdem todo o significado nesse tipo de relacionamento, o que aumenta muito mais a confiança entre o casal

FOTO: iStock

 

Maior troca de experiências
Um número maior de parceiras sexuais significa também mais oportunidade de ter novas experiências, experimentar novidades e ainda aprender novos “truques” para adicionar ao seu repertório. Os preconceitos em torno do sexo, como “nojinhos” e outras coisas que possam existir também são superados mais facilmente e você se sente mais satisfeito sexualmente, além de satisfazer mais.
Adeus rotina
Quando você se envolve com mais de uma pessoa, as chances de deixar o relacionamento cair naquela rotina chata e monótona que muitas vezes condenam as relações a ponto de não aguentar mais olhar na cara da pessoa são reduzidas consideravelmente. Sair com novas pessoas, entrar em contato com novos gostos, novos pensamentos e experiências deixam o relacionamento mais interessante e menos cansativo.
Brigas? Esqueça
A falta de confiança, o medo da traição e problemas com o compromisso exigido para a vida a dois são verdadeiras pedras no sapato de muitos casais e os maiores motivos de brigas nos relacionamentos atuais. Quando se tira esses fatores da equação através do relacionamento aberto, em que o casal está ciente e concorda em sair com outras pessoas, não há mais tantos motivos para desentendimentos.
Confiança de sobra
Aceitar que sua namorada está se relacionando com outros caras exige confiança de sobra para saber lidar bem com a situação sem crises de ciúmes. Isso vale também para ela, que deve confiar bastante em você para concordar com isso. Um relacionamento aberto tem a capacidade de aumentar a confiança mútua do casal, que deixa de lado várias inseguranças.
Responsabilidades mais leves
Não se engane: as responsabilidades do casal não deixam de existir, ainda que levemente diferentes do habitual. A necessidade de estar sempre junto, obviamente, não é tão frequente. O casal deve conversar sobre isso e decidir que responsabilidades manterão e quais deixarão de existir. Isso pode evitar muitos desentendimentos e brigas desnecessárias.

 

nov30
Além de conversar bastante para estreitar laços ou buscar ajuda profissional para resolver possíveis questões que atrapalham o relacionamento, tornar o sexo mais dinâmico e divertido também é uma forma de esquentar a relação
Com o tempo, é natural que aquela ardência do relacionamento seja substituída por um ritmo mais suave e até, em alguns casos, relativamente tedioso, levando os casais a procurarem formas de apimentar a relação. De acordo com a especialista em sexualidade e colunista do Delas Cátia Damasceno, isso acontece principalmente quando as pessoas são casadas.
 Além da conversa, tornar o sexo mais divertido ajuda a estreitar laços e apimentar a relação
Além da conversa, tornar o sexo mais divertido ajuda a estreitar laços e apimentar a relação
“Esse interesse acaba quando o casal perde a cumplicidade, as brincadeiras e a troca de cuidado um com o outro”, afirma Cátia. Além de  reforçar os laços do relacionamento com muita conversa e demonstrações de carinho, há algumas formas divertidas de apimentar a relação e o Delas separou seis para você testar:
1. Pompoarismo
Você sabia que  a vagina também pode se exercitar e que essa “ginástica íntima” traz benefícios não só para o prazer feminino, mas para quem estiver fazendo sexo com ela? Tudo isso vem com a prática do chamado pompoarismo, técnica que fortalece a musculatura pélvica e permite que a mulher tenha mais controle desses músculos. Ok, mas o que isso tem a ver com apimentar a relação?
Segundo Cátia, além de esse fortalecimento fazer com que a região fique mais irrigada e sensível ao prazer, o controle da musculatura permite que a mulher crie contrações durante o sexo, estimulando o pênis de forma diferente. Além de contribuir com o orgasmo vaginal – que é mais difícil de se alcançar do que o clitoriano para algumas mulheres –, é uma ótima forma de surpreender o parceiro.
Os exercícios de pompoarismo podem ser feitos tanto sem quanto com acessórios próprios para a prática. Sem eles, Cátia indica contrair os músculos pélvicos (como se estivesse segurando e soltando o xixi) de 20 a 30 vezes, descansar por um minuto e repetir a série. Para usar os acessórios – que são bolinhas de vários tamanhos –, o mais indicado é buscar a orientação de profissionais.
2. Noite de jogos
Se você e seu parceiro ou parceira são mais “quadradões”, esta pode ser uma ótima forma de sair da rotina e reascender a chama que está se apagando. Estamos falando de jogos eróticos. De acordo com a sexóloga Priscila Junqueira, além de proporcionar mais prazer, incorporar esse tipo de brincadeira ocasionalmente na vida sexual ajuda o casal a explorar os próprios desejos e ter ainda mais intimidade.
Antes de tudo, é necessário conversar bastante com a outra pessoa e estabelecer os limites de cada um, deixando claro o que está e o que não está permitido nos joguinhos. Em seguida, basta escolher. Existe uma gama enorme de brincadeiras , algumas com acessórios – como dados eróticos, baralhos, brinquedos sexuais, entre outros – e outras que não requerem nada além dos participantes. Esquentando o clima com uma brincadeirinha assim, o sexo se torna mais divertido e dinâmico.
3. Sexo pela manhã
O melhor horário para se fazer sexo é à noite, após um jantar romântico quando o casal já está livre de obrigações, certo? Não necessariamente. Nesse horário, há mais risco de rolar aquela preguicinha devido ao cansaço após um dia cheio, fora que, após uma refeição, o fluxo sanguíneo se concentra na digestão, tornando uma atividade como o sexo mais complicada. Além disso, um estudo realizado pela Forza Supplements – marca britânica de suplementos aliemtnares – mostra que a parte da manhã é o melhor horário para transar.
De acordo com os dados levantados pelo estudo, o melhor momento é quando o relógio marca 7h30, mas, para os que não são fãs de acordar muito cedo, o melhor em geral é transar cerca de 45 minutos após o despertar. O motivo? De manhã, o corpo está mais descansado, com mais energia para gastar na hora H. Além disso, deixar que o clima esquente logo cedo promove benefícios para o corpo, como uma sensação de bem-estar pela alta na produção de endorfinas, redução de estresse e diminuição da pressão sanguínea. Dessa forma, a pessoa fica mais concentrada, bem humorada e até otimista. Vale o teste!
4. “Dirty talk”
Se você é dos mais envergonhados, talvez seja melhor não começar por este item, mas é fato que o “dirty talk” – aquelas sacanagens ao pé do ouvido ou por mensagens – é uma grande ajuda para quem quer apimentar a relação deixando as coisas mais divertidas antes e durante o sexo. De acordo com Cátia, se a pessoa estiver gostando de ouvir aquilo, vai se sentir cada vez mais estimulada e se empenhar mais no ato, proporcionando mais prazer.
Segundo a especialista, a dica é se soltar, mas sem mandar aquela sacanagem “cabeluda” logo de cara para não assustar o parceiro ou a parceira. Dizer se está gostando ou falar sobre o que gostaria de fazer também é uma boa ideia, tanto durante a transa quanto ao longo do dia, enquanto o casal está separado. Dessa forma, os dois começam a construir um clima e, quando chega a hora do “vamos ver”, já estão no limite do desejo.
5. Mais tempo de sexo
Apimentar a relação nas preliminares é bom, mas ter mais tempo de sexo para testar mais possibilidades é ainda melhor. Trocar de posição quando os dois estiverem chegando perto do orgasmo é uma forma de “construir picos” no clima, e tanto pedir que o homem se masturbe algumas horas antes do ato quanto tentar transar duas vezes seguidas normalmente fazem com que ele demore a ejacular, tornando o sexo mais longo. Há também o anel peniano , que, por apertar de leve a base do pênis, faz com que o homem aguente mais tempo sem ejacular, o que nos leva ao próximo tópico:
6. Brinquedos eróticos
Ao contrário do que muitos pensam, brinquedos eróticos não precisam ser usados apenas quando se está sozinho, e não é problema algum recorrer a eles para apimentar a relação. Além de conversar sobre o desejo de incluir um acessório desses nas relações sexuais, o ideal é começar com o básico, como óleos de massagem, lubrificantes e vibradores líquidos. Acessórios que satisfazem os dois, com o anel peniano, também são uma boa pedida para o início. Já quanto a vibradores e masturbadores masculinos em geral, é possível que um parceiro use no outro ou apenas assista enquanto a outra pessoa usa nela mesma.
Fonte: Delas – iG @ http://delas.ig.com.br/amoresexo/2017-10-08/apimentar-a-relacao-sexo.html / Foto: Shutterstock / Por iG Delas

nov30

Durante muito tempo, o corpo feminino foi visto com um propósito bem diferente do corpo masculino: enquanto os homens tinham instintos incontroláveis de fazer tudo em busca de prazer, as mulheres eram meros meios de proporcionar esse prazer e, no final da história, dar continuidade à espécie, carregando e parindo os filhos daqueles que usavam seus corpos.

Pesado, né? E verdadeiro. Absolutamente verdadeiro. Ao longo da História, era simplesmente normal acreditar que mulheres não tinham como sentir prazer. De fato, não sentem prazer da mesma forma que o homem sente, mas nem de longe isso quer dizer que são frígidas ou coisa parecida. Quer dizer apenas que o prazer masculino, mais óbvio, é verdade, foi por muito tempo o único valorizado.

Prova disso é a Era Vitoriana, da Inglaterra. Nessa época, mulheres se submetiam a tratamentos médicos para curar casos de histeria. Magicamente, quando os médicos estimulavam a região genital de suas pacientes com as mãos, elas eram tomadas por sensações boas e um súbito calor no corpo. Saíam dos consultórios felizes da vida, “curadas”.

Cena do filme “Histeria”, que conta a história dos vibradores na Era Vitoriana

As massagens íntimas não foram inventadas pela Inglaterra vitoriana, ao contrário do que se possa imaginar. Muito antes disso, a técnica milagrosa era realizada. Só para você ter ideia, há mais de 2 mil anos, o grego Hipócrates, considerado o “pai da Medicina”, já relacionava a tensão feminina ao útero.

A palavra “histeria” tem origem grega, inclusive – vem de “hysteros”, que significa útero. Na época, era usada para descrever uma série de sintomas comumente experimentados por mulheres: cansaço, nervosismo e depressão. A cura? Segundo Hipócrates, nada melhor do que um bom dildo.

O objeto fálico não era novidade na época de Hipócrates, até mesmo porque há registro da utilização de dildos no Egito Antigo – existem indícios que indicam que Cleópatra construiu seu próprio objeto de estimulação clitoriana.

O fato é que a anatomia feminina era pouco conhecida, e os casos de histeria, bastante frequentes. Durante a Idade Média e também no Renascimento, os médicos acreditavam que mulheres histéricas tinham esse “problema” devido à abstinência sexual. A indicação era a mesma para todas: sexo. Muito sexo.

O problema é que ninguém falava em orgasmo – aliás, na Inglaterra vitoriana, o termo utilizado para falar em orgasmo era “paroxismo histérico” – a reação feminina aos estímulos genitais nem sempre era interpretada como sexual. Nessa época, o incentivo para que os homens estimulassem a região do clitóris era a ideia de que ter “paroxismos histéricos” aumentava a chance de engravidar.Se por um lado havia o interesse em proporcionar “paroxismos histéricos” às mulheres, por outro existia a crença de que masturbação era uma prática pecaminosa e perigosa – alguns médicos diziam que as mulheres podiam se masturbar somente quando estivessem menstruadas.

Manual de massagem para curar histeria.

De qualquer forma, os próprios médicos, todos homens, ofereciam o tratamento necessário para que as mulheres tivessem “paroxismos histéricos”. Em outras palavras: as moças iam ao médico para terem orgasmos.

O “tratamento” era tão eficiente e proporcionava um bem-estar tamanho que as moças voltavam para mais e mais sessões. Com o passar do tempo, a notícia a respeito da técnica foi se espalhando, e os médicos, acumulando pacientes. Como resultado da movimentação repetida que faziam com as mãos, muitos médicos começaram a ter problemas provocados por esforço repetitivo.

Foi então que a necessidade de um massageador eletrônico ficou mais evidente e deu início à produção de vibradores. O primeiro desses aparelhos era gigantesco e ocupava quase um cômodo inteiro. Chamado de “o manipulador”, o vibrator foi inventado por Dr. Joseph Mortimer Granville (agradeçam a ele, moças) em 1880.

Anúncio de vibrador

Inicialmente, a parafernalha foi criada para massagear homens mesmo e ajudar a aliviar as mais diversas dores musculares. Acontece que o aparelho também ficou conhecido por acelerar o trabalho manual realizado pelos médicos – hehe. Não demorou para que o dispositivo fosse modernizado e ficasse cada vez menor e mais funcional.

Na verdade, a coisa evoluiu rapidamente – de acordo com esta entrevista, concedida em 2012, em 1899 já se viam anúncios de vibradores portáteis, à bateria. Incialmente, os aparelhos eram vendidos somente para médicos, mas logo as moças começaram a ver que, em vez de gastar dinheiro com a terapia, poderiam comprar seus próprios vibradores. Espertinhas!

No início da década de 1920, vibradores começaram a ser utilizados em bordeis e também em filmes pornográficos, e em 1952 o termo “histeria” foi deixado de ser usado como nome de alguma patologia, mas a fiscalização direcionada ao corpo feminino continuou e, assim que as pessoas perceberam que a tal “cura para a histeria” tinha cunho sexual, o que aconteceu? Isso mesmo: os aparelhos deixaram de ser comercializados.

Mas os anos foram passando, a revolução sexual chegou com tudo na década de 1970 e finalmente a ideia de objetos criados especificamente para proporcionar prazer feminino passou a ser mais bem recebida. Não estamos dizendo, logicamente, que brinquedinhos sexuais são uma ideia recente – eles existem há séculos, mas eram usados secretamente.

 

 

 

 

 

 

Hoje, os aparelhos existem em quantidades absurdas: são cores, modelos, tamanhos, velocidades e texturas diferentes. Estima-se que pelo menos metade das mulheres já tenham utilizado um vibrador alguma vez na vida. Vale lembrar que a masturbação é um exercício mais do que saudável, e que, quando a mulher conhece o próprio corpo, as relações sexuais se tornam satisfatórias para todos os envolvidos.

Fonte: https://www.megacurioso.com.br/sexo/90609-hora-de-falar-de-sexo-conheca-a-bizarra-origem-do-vibrador.htm / Por 

 

 

 

 

 

 

Olá! Clique em um dos nossos representantes abaixo para ter atendimento online.

Atendimento Online pelo WhatsApp